Conte sua história

Depois da falência, Luzia Costa conquistou o sucesso

Empresária teve vários negócios antes de acertar com a rede de estética Sóbrancelhas

 

“A ideia de empreender começou há quase 20 anos, quando eu não tinha dinheiro para comprar pipoca para o meu filho depois do culto na igreja que frequentava, em Taubaté. Eu estourava pipoca em casa e levava para o culto. Um dia meu filho reclamou que a pipoca estava fria; foi quando percebi a necessidade de começar a empreender. 

Como sou a única filha no meio de oito irmãos, tive de aprender a me virar sozinha e isso consistia em cozinhar e fazer várias outras coisas. Em 2002, comecei a fazer biscoitos amanteigados e vendia de porta em porta. No mesmo ano, parei com a venda de biscoitos e comprei um carrinho de lanche e passei a fazer lanches na porta da minha casa. Dois anos se passaram e decidi vender o carrinho e minha casa para investir em uma lanchonete. Em 2006, vendi a lanchonete e montei uma pizzaria. O negócio estava indo bem, mas acabei misturando as finanças e quebrei. Foi quando conheci o Sebrae; fiz todos os cursos gratuitos que podia, inclusive os focados em gestão financeira.

A quebra foi tão agressiva que em 2007 fui morar em Cruzeiro (SP) em uma casa de pau a pique na beira de um rio. Após 30 dias lá, o gás acabou e peguei um ônibus circular até a casa do meu pai em Passa Quatro (MG) – cidade próxima – para pegar R$ 40 emprestados com ele. Quando cheguei, ele me disse: ‘Nunca mais monte nada na sua vida. Arrume um bom emprego e use esse dinheiro para comprar o gás’.

Fiquei pensando no que ele disse, só que meu lado empreendedor falava mais alto. Peguei os R$ 40, comprei uma caixa de tomates e comecei a fazer tomate seco para vender para os turistas que visitavam a cidade. No mesmo ano, 2007, nos mudamos novamente, dessa vez para Roseira (SP). Cheguei lá com R$ 5 no bolso, era tudo o que eu tinha. Fui ao mercado, comprei açúcar e corante, enquanto meu marido foi atrás de formas de pirulito. Na forma que meu marido arrumou só cabiam três pirulitos por vez, e assim fui fazendo e vendendo por um tempo.

Até que um dia uma amiga me falou que a prefeitura da cidade estava dando cursos de massagem. Eu me inscrevi. Parei de fazer pirulitos para trabalhar com massagem. Não tinha nenhum material para começar, então o que eu fazia era trocar massagens por produtos para poder continuar trabalhando. Em 2008 me mudei para Ubatuba; fazia massagem na praia durante a temporada, pois tinha de quitar uma dívida de R$ 30 mil da pizzaria. Minha rotina era baseada em fazer massagem durante o dia e unhas e sobrancelhas à noite. Dessa forma, quitei minha dívida.

 

Após um ano em Ubatuba, voltei para Taubaté. Decidi começar a aparecer em eventos oferecendo meus serviços de massagem de graça, apenas para ter uma cartela de clientes. Quem gostava, contratava. Só que eu queria mais, e então decidi dar cursos sobre sobrancelha, massagem e depilação. Estava bem, atendia meus clientes em uma sala que montei, dava aulas e o dinheiro entrava. Só que a cabeça de empreendedor nunca para.

Conversei com meu marido sobre a possibilidade de apostar em algo novo. Ele disse que ia me apoiar em qualquer circunstância. Então criei a primeira loja da Sóbrancelhas, em Taubaté, em 2013.Ficava das 10h às 22h tentando vender a franquia, até que em 2014, um ano após a abertura, uma mulher apareceu e ouviu minha proposta. Quando conheceu toda minha história e trajetória de vida, decidiu apostar em mim e no meu sonho, e foi assim que surgiu a primeira loja da franquia, em Guaratinguetá (SP).

Hoje, a Sóbrancelhas está com mais de 200 lojas na América Latina – uma na Bolívia, 22 na Argentina e o restante no Brasil. Contamos com uma linha 100% natural de cosméticos e estamos investindo em clínicas de estética corporal, com unidades em Londrina e Porto Alegre. A dica que dou para quem quer começar é: dê o primeiro passo e tenha instinto de sobrevivência. Comecei para mudar a história do meu filho. Quebrei, tive dificuldades, mas nunca pensei em desistir. Só estou onde estou porque tive força de vontade.”

:: Confira o vídeo sobre a história da empresa ::

* estagiário sob supervisão dos editores

Tags: Conte sua historia, Franquias Brasil